Taller: Mujeres de la OMC al G20

HOJE 16 h.

Fórum Social Mundial, Bahia

Oficina: Mulheres da OMC ao G20: Estratégias e alternativas feministas diante do avanco do poder corporativo

Taller: Mujeres de la OMC al G20: Estrategias y alternativas feministas frente al avance del poder corporativo. Organização: DAWN

Local: Sala 111A del Instituto de Geociencias da Universidade Federal da Bahía.

Participan:
Nancy Kachingwe (Zimbabwe); Luciana Ghiotto, Attac Argentina / Argentina mejor sin tratados de libre comercio; Patricia laterra, Espacio de Economía Feminista en la SEC ; Flora Partenio, DAWN (Argentina); Fernanda Hopenhaym, PODER (Mexico); Graciela Rodríguez, Red de Género y Comercio (Brasil)

https://www.facebook.com/events/255287001678357/permalink/256081531598904/

Taller: Transformaciones en el mundo del trabajo

FSM: Alma Espino, de la RGC Uruguay, participa del taller: «El control del capital en la revolución científica y tecnológica y los impactos en el mundo del trabajo».

Oficina no Fórum Social Mundial

14 de Março de 2018

Local: Tenda da CUT Brasil na Universidade Federal da Bahia (UFBA)

9.00 -16.00 h.

O neoliberalismo, o domínio do sistema financeiro sobre a economia e as novas tecnologias configuram um novo ciclo do sistema capitalista. A reorganização da produção em cadeias globais, o avanço tecnológico, a robotização e a digitalização da economia provocam transformações no mundo do trabalho sem precedentes e colocam inúmeros desafios às sociedades e às organizações sindicais.

Tais desafios se caracterizam pelo aumento do desemprego e precarização das relações de trabalho de um lado e pela criação de poucos postos de trabalho mais especializados e melhor remunerados de outro, aumentando a assimetria social e a desigualdade. Ao lado dessas novas questões, persistem as desigualdades decorrentes da divisão sexual do trabalho e das desigualdades de tratamento e oportunidades para a população trabalhadora (indígenas, negros/as, migrantes, etc).

Como frear o aumento da divisão social e da desigualdade?

Como garantir proteção social, inclusão e regular o trabalho nesse contexto?

Como seguir organizando, representando e protegendo os direitos dos/as trabalhadores/as?

Como os sindicatos podem se valer das novas tecnologias para potencializar sua própria luta, organizando mais e melhor os/as trabalhadores/as?

Como o sindicalismo tem se aproveitado das redes sociais, das novas mídias e de aplicativos (apps) para se (re)conectar com sua base social?

Compartilhar análises e debater as possíveis respostas sindicais a essas questões, com vistas a inspirar novas ações, são os objetivos dessa atividade.

Alma Espino, RGC Uruguay

PROGRAMA

09h00 – Abertura, contexto e objetivos da atividade

  • Antonio Lisboa , Central Única dos Trabalhadores – CUT Brasil

  • Katharina Hofmann, Fundação Friedrich Ebert – FES Brasil

09h15 – O controle do capital na revolução científica e tecnológica e os impactos no mundo do trabalho

  • João Felicio, Confederação Sindical Internacional – CSI

  • Ana Georgina Dias, Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos – DIEESE

  • Alma Espino, Centro Interdisciplinário de Estudos sobre o Desenvolvimento – CIEDUR, Red de Género y Comercio, Uruguai

Coordenação: Antonio Lisboa , Central Única dos Trabalhadores – CUT Brasil

11h15 – Impactos nos serviços e indústria da revolução científica e tecnológica

  • Marcio Pochmann, Fundação Perseu Abramo – FPA

  • Valter Sanches, Industriall

  • Camilo Rubiano, Internacional dos Serviços Públicos – ISP

Coordenação: Rosane Bertotti , Central Única dos Trabalhadores – CUT Brasil

13h15- intervalo para almoço

14h30 – Desafios para organização sindical

  • Rafael Lamas, Federação Geral do Trabalho da Bélgica – FGTB

  • Victor Baez, Confederação Sindical de Trabalhadores/as das Américas – CSA

  • Fausto Durante, Confederação Geral Italiana do Trabalho – CGIL Itália

Coordenação: Graça Costa, Central Única dos Trabalhadores – CUT Brasil

16h00- Encerramento

                               

Taller: Evaluación del Paro #8M

Foro Social Mundial. Taller Evaluación del

#8M y Construcción del Foro Feminista frente al G20.

DIA: 14 de março

9-12 h

Oficina: Avaliação da Paralisação 8M e Construção do Fórum Feminista frente ao G20
Taller: Evaluación del Paro 8M y Construcción del Foro Feminista frene al G20

Local: Tenda 8M. UFB

Org.: Red de Género y Comercio, AMB, AFMarcosur, Espacio de Economia Feminista de la SEC, SOS Corpo, Rede DAWN e Cátedra Libre Virginia Bolten de Argentina.

Mais uma vez realizamos no 8 de Março de 2018 uma Paralisação das mulheres. Nosso chamado teve neste ano novos sentidos…
Chamamos a uma paralisação internacional porque temos mostrado a vitalidade do movimento de mulheres e feministas no mundo afora e aproveitaremos para fazer esse balanço.
Chamamos a uma paralisação utilizando uma ferramenta conhecida e por longo tempo usada pelos trabalhadores e trabalhadoras formais do mundo inteiro, porque a globalização neoliberal vem desbordando o trabalho assalariado e mostrando múltiplas formas do trabalho, especialmente visibilizando o trabalho reprodutivo não remunerado das mulheres e as formas diversas de produção do comum nas comunidades, nas terras indígenas, nos quilombos e nas periferias urbanas. Agora aprofundaremos esse novo entendimento fazendo o balanço dos novos formatos utilizados nas paralisações deste ano…
Chamamos o 8M porque nos anima o desejo de mobilizarmos juntas, de fazer visível a maré organizativa das mulheres. Assim, na oficina pretendemos sentir o gostinho dessa vitória conjunta, para animar nosso caminho de lutas futuras em 2018.
Realizamos no inicio de dezembro do 2017 o Fórum Feminista contra a OMC Fórum Feminista contra a OMC em que além de debatermos e construirmos estratégias, também reafirmamos a importância de fortalecer esta ação internacional do 8M e uma das estratégias pensadas foi de construirmos o Fórum Feminista frente ao G20 que será realizado na Argentina em novembro próximo… Vamos preparar nossa defesa da vida diante da macabra e violenta aposta do capital sobre as populações e sobre o corpo das mulheres.

 

 

 

La Red de Género y Comercio en el Foro Social Mundial

FSM: una agenda feminista y antiliberal

La Red de Género y Comercio participará en diversas mesas de debate y talleres del Foro Social Mundial que comienza hoy en Salvador, Bahía.

 

Agenda de actividades:

DIA: 13 de março

Marcha dos povos / Marcha de los pueblos

Marcha de abertura

15 hs. Saída da Praça do Campo Grande

 

DIA: 14 de março

9-12 h

Oficina: Avaliação da Paralisação 8M e Construção do Fórum Feminista frente ao G20

Taller: Evaluación del Paro 8M y Construcción del Foro Feminista frene al G20

Local: Tenda 8M

Org.: Red de Género y Comercio, AMB, AFMarcosur, Espacio de Economia Feminista de la SEC, SOS Corpo, Rede DAWN e Cátedra Libre Virginia Bolten de Argentina.

Leer más

 

 

9.15 h

Oficina: “Transformações no mundo do trabalho e respostas sindicais”

Taller: “Transformaciones en el mundo del trabajo y respuestas sindicales”

Alma Espino (CIEDUR, RGC Uruguay) expone en:

“O controle do capital na revolução científica e tecnológica e os impactos no mundo do trabalho”

“El control del capital en la revolución científica y tecnológica y los impactos en el mundo del trabajo”.

Local: Tenda da CUT Brasil na Universidade Federal da Bahia (UFBA) El taller dura desde las 9.00 -16.00 h.

Leer más

Alma Espino, RGC Uruguay

 

14.00-17.00 h

Desafíos para uma saúde universal e democrática num mundo neoliberal.

Desafíos para una salud universal y democrática en un mundo neoliberal.

Dia 1: Tratados de livre comércio: como afetam a saúde no Mercosul.

Debatedora / Moderadora: Graciela Rodríguez (Instituto Eqüit, RGC, Brasil)

Local: PAF III – Sala 104 (UFBA)

www.deolhonaspatentes.org

DIA: 15 de março

9.30 – 13.00 h. Acordo Mercosul-UE: negocioações em regime de urgencia

9.30: Tratados vampiros e seus impactos. Expone: Luciana Ghiotto (Attac Argentina)

11.00: Mercosul – UE: Janela de oportunidades para quem? Expone: Graciela Rodríguez (RGC, Rebrip Brasil)

12.15: Construindo resitencias.

 

16 h.

Oficina: “Mulheres da OMC ao G20: Estratégias e alternativas feministas diante do avanco do poder corporativo”

Taller: “Mujeres de la OMC al G20: Estrategias y alternativas feministas frente al avance del poder corporativo”.

Local: Sala III A del Instituto de Geociencias da Universidade Federal da Bahía.

Org.: DAWN

Leer más

DIA: 17 de março

Graciela Rodríguez, da RGC em:

9.30 h: Taller de discusión y estrategia: “G-20: El camino hacia la Cumbre de Buenos Aires, 2018”.

Local: PAF I: Sala 122

Org: Asamblea Argentina mejor sin TLC y ATTAC Argentina

 

La Red de Género y Comercio reúne a mujeres latinoamericanas interesadas en investigar y difundir los efectos diferenciales de las políticas económicas y los acuerdos comerciales, y los intereses que motorizan las corporaciones transnacionales y otros actores económicos y sociales en la región.

Envianos un Mensaje